Pesquisar este blog

quinta-feira, 3 de julho de 2008


em devaneio esgarça
engasga o verso afoito
do meu beijo
ao coito
da língua
ao ventre
quero-te meu
como o vento
de um sopro
que não posso pegar
mas sinto
arfar em pulmão
e leito
inflar o falo
e o peito.

(ilustração de minha autoria)

Um comentário:

Voz de Eco disse...

Ufa!!!!!!!
Muito bom de ler.