Pesquisar este blog

domingo, 5 de abril de 2009

o aluir dos ares



o aluir dos ares

ventos alísios
tomam a capital
e a calmaria se vai
nas areias revoltas
duma praia de Fortaleza

partiram contigo
o sopro de relicários meus
e teu ventre solar
ainda anseia sonhos nossos
em pequenas tatuagens

ecoam abaixo do equador
as canções eólicas
que tentei aluir daqui
desse peito ressentido
e o som Aluisio sorri
manhãs de Iracema!


(para Aluisio Martins)

Um comentário:

aluisio martins disse...

Ter amiga como vc é ter a poesia na vida, bem dentro do peito. Ter poeta como você é ter amiga da vida, bem dentro do mundo que vc cria.
Beijo na alma